Informações de Mercado

Acesse nossas publicações

Análises do segmento de foodservice, estudos econômicos, papers relevantes, documentos selecionados para a sua tomada de decisão.

A inteligência de mercado do IFB ao seu dispor.

Quer conhecimento estratégico?
Seja bem-vindo!

Clique, consulte, baixe.

Entrar
Negócios

Como a indústria de alimentos pode ajudar a apoiar decisões de compra

Postado em 25 de novembro de 2019

A cada semana, um novo estudo científico é anunciado, informando a próxima nova descoberta sobre quais alimentos nos manterão prósperos até a velhice e quais alimentos nos colocarão em risco de desenvolver doenças não transmissíveis como diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e obesidade. A questão é que, freqüentemente, esses estudos se contradizem. Devo reduzir minha ingestão de laticínios? A carne vermelha está saudável de novo? Os alimentos à base de plantas melhorarão minha saúde gengival?

Quando se trata de nutrição, por que existem tantas mensagens contraditórias? O mundo da ciência da nutrição está em um estado permanente de turbulência, sem consenso sobre quais alimentos são bons para nós? Absolutamente não. A infeliz verdade é que a ciência da nutrição geralmente é complexa demais para ser resumida em uma lista de alimentos que você pode e não pode comer.

A maioria dos alimentos com moderação não irá nos prejudicar, e uma dieta específica por um mês provavelmente não resolverá todos os problemas de saúde que possa ter, mas os consumidores ainda devem estar cientes do perfil nutricional dos alimentos que ingerem.

Por exemplo, observe a tendência de “baixo teor de gordura”, que ganhou impulso global na década de 1970. Os consumidores foram informados de que as gorduras levariam à obesidade, e uma dieta saudável deveria limitar a quantidade de gorduras consumidas para evitar a obesidade e outras doenças.

No entanto, essa foi uma abordagem abrangente – a onda de “baixo teor de gordura” não diferenciava gorduras saturadas, gorduras poli e mono-insaturadas e, é claro, gorduras trans. A negligência das qualidades nutricionais levou a um influxo de alimentos processados ??com baixo teor de gordura, mas que continham uma quantidade desproporcional de gordura trans, aumentando o risco de doenças cardiovasculares e aumentando o colesterol LDL.

Com as descobertas subsequentes sobre os benefícios para a saúde de uma dieta mediterrânea (rica em gorduras poli e monoinsaturadas), a indústria percebeu que era hora de reduzir as gorduras trans. A Upfield, por exemplo, produz margarinas, barrinhas e manteigas à base de plantas, livres de gorduras trans. Várias outras empresas também oferecem produtos isentos de gorduras trans. No entanto, os consumidores estão confusos. Com uma enxurrada constante de estudos acadêmicos contraditórios, é difícil educar os consumidores sobre quais nutrientes promovem a saúde e quais têm efeitos negativos na saúde pública.

Então, como a indústria de alimentos pode trabalhar para ganhar confiança e compartilhar orientações nutricionais precisas e úteis com os consumidores?

Aqui estão três dicas para fabricantes e varejistas de alimentos:

  1. Continue a expandir as ofertas de alimentos saudáveis ??à base de plantas, ricos em gorduras poli e monoinsaturadas e baixos em gorduras saturadas e trans.
  2. Pratique uma rotulagem clara e simples. A transparência sobre o conteúdo de um produto permite que os consumidores tomem decisões informadas sobre os alimentos que compram.
  3. Continue usando pesquisas imparciais. Os departamentos de P&D precisam de pesquisas para inovar e desenvolver novos produtos, e pesquisas imparciais podem ajudar a oferecer clareza sobre os benefícios ou riscos à saúde de um produto.

(Foto: reprodução)

Informações de Mercado

Acesse nossas publicações

Análises do segmento de foodservice, estudos econômicos, papers relevantes, documentos selecionados para a sua tomada de decisão. A inteligência de mercado do IFB ao seu dispor.

Nome*
E-mail*
Empresa*